terça-feira, 13 de novembro de 2012

Garota de Programa

A maneira como ela se agarrava àquele pedaço de metal, esfregando-se nele como se fosse mais do que isso, realmente não deixava a desejar. Tudo em si era um atrativo, a maquiagem valorizava os traços fortes de sua face, a lingerie destacava suas curvas. Mas, além desses apetrechos, ela tinha um jeitinho sedutor que excitava qualquer um, homem ou mulher. Ela sabia como dançar, para quem olhar e como olhar, como mover os lábios, como fazer para ser desejada.

Era ela quem escolhia seus clientes, mas eles não sabiam disso.

Cada gesto era uma armadilha, e quando dei por mim estava sob o seu domínio. Pelo menos era isso o que eu queria. Manoela, era esse o nome dela, pelo menos fora isso que me dissera. Era uma garota jovem e esbelta, que sabia e fazia bem a arte de encantar. Manoela sabia exatamente qual tom de voz usar e em que momento usar, sabia quando agir e como agir. Talvez sua experiência nas casas noturnas da cidade havia lhe ensinado a usar e abusar de estratégias.

Estratégia: uma palavra que estava entre as suas características. Todavia, noite após noite, de trabalho e diversão acabamos criando um romance. Pelo menos de minha parte, ela mantinha seu jeitinho profissional.

Quando nos tornamos mais próximos de alguém captamos costumes e manias que quem é de fora não é capaz de notar. Manoela era calculista, sabia exatamente como administrar seu dinheiro. Ela sonhava em fazer faculdade. Quando o cliente era bom, ela procurava não encontra-lo mais, para não se entregar demais, tinha que por limites em seus desejos, em seu ofício não era ela quem tinha que sentir prazer, seu papel era unicamente satisfazer.

Isto é como entre homens e mulheres, afinal são de sexos opostos, criados para se relacionar. Quando se correspondem na cama, nasce a paixão no cotidiano. Quando há afeto no relacionamento, nasce a apetite sexual. Todavia, a diferença é que os homens não precisam de paixão para sentir o desejo carnal, e para as mulheres sexo bom não basta. Os homens tem uma capacidade incrível de envolver-se sem estar envolvido. As mulheres tem uma capacidade incrível de fazer sexo com indiferença. São comportamentos distintos: eles valorizam demais a relação carnal, elas não. Para elas, sexo é consequência.

Os homens que se prostituem não são bons amantes. São artificiais demais. Elas se divertem, é claro. Realizam todas as suas fantasias perversas. Elas se divertem.

Ao contrário dos homens, vulneráveis aos desejos da carne, as mulheres sabem se conter, quando querem. Sabem envolver, quando querem. Cativar faz parte da natureza delas. Nós, meros humanos masculinizados, somos apenas brinquedinhos frágeis em suas mãos.

(N.A.) Momento eu com raiva da raça masculina.

2 comentários:

  1. Amei esse texto muito bem escrito, parabéns melissa por ir fazer psicologia, esse curso está entre as minhas opções, pro seu estágio dá até pra conseguir em hospitais públicos né?!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o artigo! Sou garota de programa (acompanhante es) e garanto que é bem isso que você falou rsrs. Na verdade adoro o que eu faço, faço por prazer, e na maioria das vezes posso escolher meus clientes. Pra quem quiser conhecer mais meu trabalho acesse:

    www.todasua.com.br

    tem minhas fotos e minhas informações lá! Parabéns pelo site, está muito bonito!!!
    beijinhosss ;)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...